segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Pela luz dos olhos teus: um projeto exemplar


video


Acima, vídeo apresentado no Programa da Record, no quadro “Mulheres Inspiradoras”, sobre o projeto "Pela luz dos olhos teus", realizado voluntariamente pela professora Sharlene Davantel Valarini com a participação espontânea dos seus alunos na escola Girassol, em Engenheiro Beltrão/PR. Seu projeto está entre os finalistas do prêmio da Natura, destinado a valorizar as intervenções sociais de suas consultoras. No caso em questão, trata-se de um projeto que busca produzir a leitura e produção de textos poéticos em clase, gravá-los e depois reproduzi-los para serem distribuídos gratuitamente a pessoas com deficiência visual. Sharlene, além de consultora da Natura e professora, é também doutoranda em Letras na Universidade Estadual de Maringá.

Nossa equipe sente-se imensamente feliz com o sucesso do seu trabalho. Continue sempre sendo essa profissional (e pessoa) exemplar. Parabéns Sharlene!


segunda-feira, 31 de outubro de 2011

O uso de blog no ensino de literatura: mais uma experiência

Há dois anos atrás desenvolvi uma experiência de uso de blogs no desenvolvimento de duas disciplinas do curso de Letras da UEM, a qual já foi apresentada aqui em outras postagens e, depois, tratada no curso sobre o uso de blogs como ferramenta de ensino. Passo agora a sugerir que conheçam o blog Era uma vez.., fruto de mais uma experiência similar, que estou desenvolvendo neste segundo semestre de 2011, com alunos da disciplina de Literatura Infanto-Juvenil Brasileira, do terceiro ano do curso de Letras Licenciatura em Língua e Literaturas de Língua Portuguesa, também da Universidade Estadual de Maringá. Confiram, o trabalho está indo muito bem, o que se pode ver pela qualidade das postagens que podem ser encontradas no blog. No momento, o blog apresenta os seguintes marcadores/tópicos:




Deixem comentários apreciando o trabalho, toda crítica construtiva (seja positiva ou não) é bem vinda, pois contribui para o aprimoramento da proposta.



Marciano Lopes

domingo, 9 de outubro de 2011

Atividades do Curso de Extensão: “O e-book – práticas de leitura em sala de aula”

Olá a todos!
Foi com muito prazer que recebemos vocês no dia 07 de outubro para nosso curso de extensão. Agora passaremos às atividades que correspondem à segunda metade da carga horária de nossos estudos e discussões. Lembrem-se, vocês deverão escolher um dos três e-books disponíveis nos links abaixo e realizar uma análise de sua natureza, estrutura e de suas possibilidades de utilização em sala de aula. Os links são:
As atividades deverão ser enviadas para o e-mail ciberensino@gmail.com até o dia 07 de novembro de 2011.
Boas leituras e atividades para todos!

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Ampliação do prazo de inscrição do Curso de Extensão: “O e-book – práticas de leitura em sala de aula”

Olá a todos!
Devido a problemas técnicos, muitos participantes não estão conseguindo gerar o boleto para o pagamento do Curso de Extensão "O e-book - práticas de leitura em sala de aula". Em função disso, faremos as inscrições até no dia do curso. Assim, caso não consigam gerar o boleto, procurem o professor Márcio, a professora Alice ou entrem em contato com Sarah e Gabriel no telefone (44) 3011-4914 ou diretamente na Secretaria de Letras a Distância.
Grande abraço a todos e até sexta!

domingo, 25 de setembro de 2011

Curso de Extensão: “O e-book – práticas de leitura em sala de aula”

Olá a todos!

Estão abertas as inscrições para mais um curso de extensão de interesse para todos aqueles que se interessem pelo ciberespaço e pela cibercultura, especialmente com relação a propostas a serem aplicadas em sala de aula. Trata-se do curso de extensão “O e-book – práticas de leitura em sala de aula”. O curso será ministrado no auditório do CCE (Bloco F-67), na Universidade Estadual de Maringá, no dia 07/10/2011. Leiam as informações:

Programa:
- “E-book: o que é? Como surgiu?” – Ministrante: Márcio Roberto do Prado – 2 horas-aula
- “A autoria e a ética nos e-books” – Ministrante: Márcio Roberto do Prado – 3 horas-aula
- “E-books e o ensino de literatura” – Ministrantes: Vera Teixeira Aguiar e Alice Penteado Martha – 5 horas-aula
- “Atividades práticas a serem desenvolvidas pelos participantes do curso” – 10 horas-aula

Coordenador: Prof. Dr. Márcio Roberto do Prado
Período para inscrições: 23/09/2011 a 06/10/2011
Valor: Acadêmico R$ 20,00 (para todos os participantes)
Vagas: 120 vagas
Local do curso: Auditório do CCE (Bloco F-67)
Horário: a partir das 8h da manhã
Carga horária: 20 horas (10 horas presenciais e 10 horas em atividades a distância pela internet)
Código de recolhimento: 2974

Inscrições
Para se inscrever, gere o boleto e pague-o no banco (Caixa Econômica Federal) dentro do prazo estipulado no mesmo. Preencha o código de recolhimento (2974), o valor (R$ 20,00) e o nome por completo (todo por extenso) e corretamente, pois ele sairá no certificado conforme você preenchê-lo no boleto.


Clique aqui pra gerar o boleto

Em caso de dúvidas, entrar em contato com Gabriel ou Sarah no telefone (44) 3011-4914

terça-feira, 23 de agosto de 2011

I CONGRESSO INTERNACIONAL DO GRUPO DE PESQUISA "LEITURA E LITERATURA NA ESCOLA": JUVENTUDE E LETRAMENTO LITERÁRIO


Olá a todos!

Para todos os interessados no tema, teremos, de 19 a 21 de setembro de 2011 o I CONGRESSO INTERNACIONAL DO GRUPO DE PESQUISA “LEITURA E LITERATURA NA ESCOLA”.

Confiram a programação:

19/09 (segunda-feira)
MANHÃ
8h - Credenciamento
8h30 – Abertura do evento
João Luís Ceccantini – UNESP/Assis
9h – Conferência:
Título: “20 anos de história: o Grupo de Pesquisa ‘Leitura e Literatura na Escola’” Carlos Erivany Fantinati – UNESP/Assis
TARDE
13h30 – Mesa Redonda:
“Juventude e fomento à leitura literária”
Elizabeth D’Angelo Serra – FNLIJ (RJ)
Maria Aparecida Paiva – UFMG/CEALE – PNBE
Silvia Castrillón - Associação Colombiana de Leitura e Escrita (ASOLECTURA)
16h-18h - Simpósios (As comunicações inscritas deverão atender a um dos temas selecionados pela Comissão Científica):
1. Práticas de leitura na escola
2. Letramento fora da escola & ciberespaço
3. Narrativas juvenis
4. Texto verbal e não-verbal
5. Livros e leitores iniciantes
NOITE
19h30 – Conferência: Blanca-Ana Roig Rechou (USC-Espanha)

20/09 (terça-feira)
MANHÃ
9h – Mesa-redonda:
“Literatura juvenil: um gênero em questão”
Eliana Yunes – PUCRS/ Cátedra de Leitura da UNESCO
Vera Teixeira de Aguiar – PUCRS
Maria do Rosário Longo Mortatti – UNESP/Marília
TARDE
13h30 – Mesa redonda:
“O livro juvenil para além da academia”:
Ricardo Azevedo – escritor, ilustrador e editor
Maria Dolores Prades – editora
Juliana Loyola – PUC-SP
16h – 18h – Minicursos (primeira parte)
1. Dra. Neuza Ceciliato (UEL/UENP-CRELIT): “Literatura Infantil: práticas na sala de aula”.
2. Dr. José Batista de Sales (UFMS): “Poema narrativo na literatura infanto-juvenil”.
3. Dr. Benedito Antunes (UNESP-Assis): “Introdução à leitura literária”.
4. Dr. Paulo César Andrade da Silva (UNESP-Assis) e Dra. Norma Domingos (UNESP-
Assis): “O texto poético na sala de aula”.
5. Dra. Luciane de Paula (UNESP-Assis): “A leitura da literatura na perspectiva da análise dodiscurso”.
6. Dra. Vanderléia da Silva Oliveira (UENP/CRELIT): “Letramento Literário e Ensino de Literatura”.
7. Dr. Márcio Roberto do Prado (UEM/CELE): “Literatura Infanto-Juvenil no Ciberespaço: o
blog como mediador de leitura”.
8. Dr. Juvenal Zancheta Júnior (UNESP-Assis): “Juventude e mídias contemporâneas”.
9. Dr. Aroldo José Abreu Pinto (UNEMAT): “Leitura da Literatura Juvenil: temas
contemporâneos”.
10. Dra. Alice Áurea Penteado Martha (UEM): “Poesia para crianças e jovens”.
NOITE
19h30 – Mesa-redonda:
“A produção cultural para jovens: o livro juvenil, outros suportes, outras linguagens”
Marisa Lajolo – UNICAMP/ MACKENZIE
Maria Zaira Turchi – UFG
Miguel Rettenmaier – UPF

21/09 (quarta-feira)
MANHÃ
9h – Mesa-redonda:
“A literatura juvenil na sala de aula”
José Nicolau Gregorin Filho – USP
Vera Maria Tietzmann – UFG
Renata Junqueira de Souza – UNESP/Presidente Prudente
TARDE
14h-8h – Minicursos (segunda parte)
1. Dra. Neuza Ceciliato (UEL/UENP-CRELIT): “Literatura Infantil: práticas na sala de aula”.
2. Dr. José Batista de Sales (UFMS): “Poema narrativo na literatura infanto-juvenil”.
3. Dr. Benedito Antunes (UNESP-Assis): “Introdução à leitura literária”.
4. Dr. Paulo César Andrade da Silva (UNESP-Assis) e Dra. Norma Domingos (UNESP- Assis): “O texto poético na sala de aula”.
5. Dra. Luciane de Paula (UNESP-Assis): “A leitura da literatura na perspectiva da análise dodiscurso”.
6. Dra. Vanderléia da Silva Oliveira (UENP/CRELIT): “Letramento Literário e Ensino de Literatura”.
7. Dr. Márcio Roberto do Prado (UEM/CELE): “Literatura Infanto-Juvenil no Ciberespaço: oblog como mediador de leitura”.
8. Dr. Juvenal Zancheta Júnior (UNESP-Assis): “Juventude e mídias contemporâneas”.
9. Dr. Aroldo José Abreu Pinto (UNEMAT): “Leitura da Literatura Juvenil: temas contemporâneos”.
10. Dra. Alice Áurea Penteado Martha (UEM): “Poesia para crianças e jovens”.
18h – Lançamento de Livros e Evento Cultural
NOITE
19h30 – Conferência de Encerramento
José António Gomes (Portugal – IPP)
Interlocução inicial: Luís Camargo

Para maiores informações, acessem o blog do Grupo de Pesquisa "Leitura e Literatura na Escola" no endereço http://gpleituraliteraturanaescola.blogspot.com/

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Inscrições Abertas: Curso de Extensão "Fanfiction - há espaço na sala de aula?"



Coordenadora: Marilurdes Zanini

Período para inscrições: 08/06/2011 a 15/06/2011

Valor: Acadêmico R$ 20,00 - Não-Acadêmico R$ 20,00

Vagas: 60 vagas

Local do curso: Sala 08 do Bloco D-67

Horário: a partir das 8h da manhã

Carga horária: 20 horas



Inscrições


Para se inscrever, gere o boleto e pague-o no banco (Caixa Econômica Federal) dentro do prazo estipulado no mesmo. Preencha o código de recolhimento (685), o valor (R$ 20,00) e o nome por completo (todo por extenso) e corretamente, pois ele sairá no certificado conforme você preenchê-lo no boleto.



Em caso de dúvidas, entrar em contato com Adelino nos Ramais 4830 (manhã) e 4889 (tarde)

terça-feira, 3 de maio de 2011

Mais uma polêmica, mais uma interdição!


O livro “Heroísmo de Quixote” — registrado com o número 4.869 na biblioteca da Escola Municipal Benedito Ottoni — deixou as estantes do colégio no Maracanã, após uma discórdia que acabou indo parar na delegacia. A mãe de um aluno do 6º ano ficou revoltada com o fato de o livro, que fala sobre sexo, drogas e prostituição e é recheado de palavrões, ter sido dado a seu filho, “uma criança de 11 anos”, na sala de leitura. (...)

A escritora gaúcha Paula Mastroberti, autora de “Heroísmo de Quixote”, trabalha o livro em escolas públicas da Região Metropolitana de Porto Alegre. A iniciativa faz parte de uma parceria com a Câmara Rio-Grandense do Livro. Mesmo assim, a autora reconhece que nem sempre o livro é aceito em sala de aula.

— Em alguns casos, os professores têm medo de levar o livro para a sala de aula porque não se sentem preparados. Se uma criança tiver dúvida, o professor deve responder numa linguagem que ele entenda. Mas não me sinto qualificada para saber quem deve ou não ler.


O livro “Heroísmo de Quixote”, que em 2005 ficou em segundo lugar na categoria melhor livro juvenil do Prêmio Jabuti, é uma recriação feita a partir da obra de Miguel de Cervantes y Saavedra.


— Às vezes, as pessoas acham que os jovens não precisam saber da violência, porque podem ser contaminados. O problema não é o livro. O problema é a relação entre adultos e crianças — assinala Paula Mastroberti.

______________________________________________________
Fonte: matéria de Herculano Barreto Filho. Leia o restante clicando aqui.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Revistas literárias na internet: mapeamento e descrição

Marciano Lopes



O trabalho de catalogação e descrição de sites e revistas eletrônicas é muito importante , pois será com base nele que o professor poderá navegar e pesquisar material apropriado aos seus objetivos didático-pedagógicos com mais rapidez e eficiência. É claro que para realizá-lo é necessário uma boa dose de tempo, mas se o produto da pesquisa de cada professor for compartilhado com seus colegas em um banco de dados disponível a todos que tenham interesse, o resultado será muito mais rápido e satisfatório. Para isso, pode-se criar um blog para divulgação não apenas de relatos de experiências em sala de aula, propostas de atividades, resenhas críticas de obras literárias ou didáticas, como também para a divulgação de trabalhos como este que propomos no momento. Hoje, através da internet podemos ter acesso a uma biblioteca milhares de vezes maior do que a de Alexandria... é uma questão de aventurar-se com prazer e sem medo de ser feliz.


É claro que não é fácil - nem questão resolvida - distinguir entre o que é uma revista (literária ou não), um site, um portal ou um jornal quando tratamos de publicações no ciberespaço. Afinal, a mudança do meio impresso para o digital na web acarreta mudanças significativas. Na tela do computador tudo se confunde, não temos mais a corporalidade do material impresso para nos ajudar na distinção. Além do mais, a periodicidade deixa de ser um critério fundamental para a definição deste tipo de publicação. Do meu ponto de vista, parece-me que os principais critérios a serem adotados para a identificação de um espaço/sítio no ciberespaço como sendo uma revista eletrônica de literatura são: apresentar um perfil voltado para a publicação de textos de e sobre literatura, seções que contemplem diversos gêneros textuais (como criação literária, crítica, resenha crítica, entrevistas, reportagens) e espaço para o leitor (uma revista que se preze deve estar aberta ao diálogo e à crítica). É claro que toda publicação inevitavelmente terá seu ou seus editores - o que não significa ter um conselho editorial. A existência deste, assim como de periodicidade e ISSN são aspectos importantes para a valorização da revista perante órgãos governamentais, mas não são elementos essenciais em sua definição. Tais questões importam mais para burocratas e acadêmicos interessados em ter suas publicações reconhecidas - e pontuadas - pelos órgãos de fomento à pesquisa. Para nós usuários, professores, leitores, ou pretensos escritores que desejem ver suas obras publicadas e lidas, tais questões são irrelevantes ou de menor importância. Certamente não será a existência de conselho editorial e manutenção de periodicidade que garantirá a qualidade dos textos publicados...



Segue descrição de quatro revistas literárias eletrônicas. O procedimento utilizado pode servir de modelo para a realização da atividade de descrição de revistas ou mesmo de sites de escritores. Além do que foi feito e apresentado mais abaixo, é interessante considerar também o aspecto estético, ou seja, descrever e comentar o desing discutindo se ele é atraente e prático (se é de fácil navegação). Em outro momento acrescentarei comentários neste sentido, ampliando esta postagem.


Para ver o mapeamento de outras revistas literárias, veja o artigo "Revistas literárias on-line" neste blog.


Para encaminhar os trabalhos sobre descrição de sites de escritores, revistas literárias (adultas ou infanto-juvenis) ou propostas de atividades (planos de aula ou de curso) com base em material pesquisado nestas publicações, ENVIEM o texto em arquivo word (versão 2003 ou mais recente) para o e-mail do blog: ciberensino@gmail.com - não deixem de colocar vossos nomes assim como o da(s) escola(s) e cidade onde trabalham e de indicar as fontes dos textos e série (escolaridade) do publico-alvo no caso de planos de aula ou de curso. Para aqueles que lecionam em uma mesma escola, aceitaremos trabalhos em equipe.


O prazo máximo para envio da atividade (que valerá para complementar a carga horária do curso) será o dia 15 de maio.


Boa viagem aos navegantes!!!




Descrição

1. SIBILA - ISSN 1806-289X
URL: http://www.sibila.com.br/


Expediente:
a) Editores: Régis Bonvicino (São Paulo) e Charles Bernstein (New York)
b) Editor assistente: Marcelo Flores (São Paulo)
c) Editor de tecnologia: Tiago de Oliveira Fontolan (Sorocaba)
d) Conselho Editorial: Prisca Agustoni (Juiz de Fora), Andrés Ajens (Santiago de Chile), José Eduardo Barros (Rio de Janeiro), Aurora Bernardini (São Paulo), Cristino Bogado (Assumpción), Salvador Gallardo Cabrera (Cidade do México), Mario Camara (Buenos Aires), Maria Elisa Costa (Rio de Janeiro), Felipe Cussen (Santiago de Chile), Arkadii Dragomoshchenko (São Petersburgo), Yao Feng (Macau), Ronaldo Fraga (Belo Horizonte), João Adolfo Hansen (São Paulo), Gervais Jassaud (Paris), José Angel Leyva (Cidade do México), Iván Garcia Lopez (Cidade do México), Douglas Messerli (Los Angeles), Eduardo Milán (Cidade do México), Marjorie Perloff (Pacific Palisades), Claude Royet-Journoud (Paris) e Mauricio Salles Vanconcelos (São Paulo).

Periodicidade:
editada desde 2000. Inicialmente impressa e semestral, passou a ser online a partir do número 12, publicado em junho/2007. Ao se transformar em revista digital on-line, aparentemente deixa de ter uma periodicidade marcada.
Apoio cultural: CPFL Energia e Rádio Bradesco.

Seções
:
a) “English - Poetry around the World” -
b) “Crítica - Ensaios e resenhas sobre literatura e política” -
c) “Poemas - Poemas, vídeos, prosa” – Apesar do que indica, aprsenta predominantemente poemas, poemas traduzidos e poemas comentados.
d) “Estado crítico - Ensaios e resenhas sobre jovens autores” – Apesar de indicar que a seção trata de novos autores, há ensaios e resenhas sobre(e de) autores e críticos canônicos de várias épocas e não apenas sobre literatura.
e) “Arte/Risco - Artes visuais e poesia em confronto” -
f) “Mapa da Língua - Clássicos de toda a língua portuguesa” – Apesar do subtítulo, há textos sobre autores não clássicos e de língua espanhola também.
g) “Hotel Kafka - O mundo e a arte em trânsito”– Esta seção se confunde com a seção “Crítica”, pois também apresenta ensaios e resenhas sobre literatura e política, não estando claro o que as diferencia.

Além das seções indicadas acima e que estão à disposição para serem lincadas na barra de navegação da revista, há duas colunas – uma à esquerda e outra à direita da página principal – cujos conteúdos mudam conforme a seção acessada. Na coluna da esquerda, os links funcionam, aparentemente, como um sumário da seção, não estando claro se ele indica apenas as matérias da última edição da revista ou se de todas as edições. Na coluna da direita, intitulada “Sibila recomenda”, os links são permanentes, dividindo-se em: “Menu de livros, sites, blogs”, “Menu de autores da Sibila” e “E-dicionário de termos literários” e “Web-dicionário Português, Inglês, Espanhol, Italiano, Francês e Alemão”. O E-dicionário de termos literários é produzido coletivamente por autores cadastrados pelo site.

Perfil: publica predominantemente poesia, crítica literária e de literatura ccomparada (na seção “Arte/Risco”), resenhas e ensaios sobre política, nacional e internacional, o que a aproxima das revistas literárias de perfil modernista dominantes nas décadas de 60 e 70 (cf. NELIC).




2. GERMINA- Revista de literatura e arte – sem ISSN –
URL: www.germinaliteratura.com.br/


Expediente:
a) Editores (arte e desing): Mariza Lourenço & Silvana Guimarães
b) Colaboradores: apresenta lista de colaboradores, mas não esclarece se são fixos e se a lista está ou não em aberto.
c) Conselho Editorial: sem conselho editorial.


Periodicidade: sem periodicidade.

Apoio cultural: sem apoio cultural.


Seções:
a) “Uns” – listagem de poetas de “A” até “D”.
b) “Outros” – listagem de poetas de “E” até “J”.
c) “Poucos” – listagem de poetas de “K” até “M”.
d) “Raros” – listagem de poetas de “N” até “Z”.
e) “Eróticos & Pornográficos” – contos e poemas eróticos e pornográficos.
f) “Links” – apresenta 3 subdivisões: “Gerais” (para sites e revistas em geral), “Pessoais” (para sites de autores) e “Blogues” (para blogues de autores).

Perfil: publica predominantemente poesia, misturando autores consagradas, brasileiros ou não, aos autores novos, na maioria brasileiros. Após cada seleção de textos de um autor, segue um minicurrículo do mesmo, salvo quando o autor é muito canônico.



3. AGULHA- Revista de cultura – sem ISSN –
URL: http://www.revista.agulha.nom.br/


Expediente:
a) Editores: Floriano Martins (Fortaleza) & Claudio Willer (São Paulo)
b) Jornalista responsável: Soares Feitosa
c) Correspondentes: tinha correspondentes em vários países até o número 4/5. Depois deste número, os correspondentes são os próprios colaboradores, que variam a cada edição.
d) Conselho Editorial: apresentava conselho editorial até o número 2/3. Era assim formado: Alfonso peña (costa rica), Alfredo fressia (brasil), benjamin valdivia (méxico), contador borges (brasil), helena vasconcelos (portugal) , maria esther maciel (brasil), maria joão cantinho (portugal), mónica saldías (suécia), rodolfo häsler (espanha), saúl ibargoyen (méxico), soares feitosa (brasil). Estas pessoas permanecerão como correspondentes (papel que também já exerciam) no número seguinte (4/5).



Periodicidade: Encerrada. Durou por 10 anos (1999 a 2009) e teve 70 edições com periodicidade mensal ou bimestral.


Apoio cultural: Jornal de Poesia - www.jornaldepoesia.jor.br/


Seções: não apresenta seções. O portal apresenta links que dão acesso às seguintes páginas: “Edição atual”, “Coleção” (apresenta as edições da revista), “Editores” (apresenta a página de expediente da revista), “Galeria de revistas” (apresenta links para revistas de diversos países) e “Índice” (apresenta um índice alfabético de todos os colaboradores e links para os seus textos publicados na revista).


Perfil: publica artigos e ensaios de literatura e artes.



4. JORNAL DE POESIA – sem ISSN –
URL: www.jornaldepoesia.jor.br/


Expediente:
a) Editores: Soares Feitosa (Fortaleza/CE)
b) Jornalista responsável: Soares Feitosa
c) Correspondentes: tinha correspondentes em vários países até o número 4/5. Depois deste número, os correspondentes são os próprios colaboradores, que variam a cada edição.
d) Conselho Editorial: sem conselho editorial.

Periodicidade:
Sem periodicidade.

Apoio cultural: sem apoio financeiro, mas com parcerias com outras revistas literárias de língua portuguesa e espanhola em dois projetos em colaboração com Floriano Martins: “Projeto Editorial Banda Lusófana” e “Projeto Editorial Banda Hispânica”.

Seções:
não apresenta seções. Após a atualização da página com as matérias novas, há link para o “Projeto Editorial Banda Lusófana” e o “Projeto Editorial Banda Hispânica”. No final, há um índice alfabético dos autores (poetas, contistas e críticos) por meio de links com as letras do alfabeto, que levam a páginas com a relação dos autores cujo nome começa com a letra selecionada.

Perfil:
publica poemas e artigos sobre poesia.

sábado, 23 de abril de 2011

Sites de Escritores

A Internet configura-se, atualmente, como uma importante ferramenta para pessoas compromissadas com a educação. Com as transformações tecnológicas, a Literatura trabalha hoje com duas formas de leitura: a clássica e a virtual. A rede telemática internacional instaurou uma revolução, provocando transformações em todos os setores, incluindo, de modo especial, nas formas de aquisição do saber.

Diante dessa biblioteca universal que pode ser acessada de qualquer lugar e onde se encontra uma infinitude de textos, torna-se necessário desenvolver novas metodologias para o ensino de leitura de textos literários.

O professor é peça fundamental nessa engrenagem porque é ele o mediador entre tais textos literários e as representações simbólicas que permeiam a aprendizagem. É fundamental que haja uma redefinição do seu papel. Não se pode mais considerá-lo mero transmissor de conhecimentos. A rede mundial de computadores alterou tal processo. É preciso transferir para o estudante a responsabilidade da construção de seu próprio conhecimento, mas a orientação do professor não deve ser desconsiderada.

O ciberespaço, por configurar-se como possibilidade de infinitas pesquisas, precisa ser visto como um grande aliado. A WEB disponibiliza incontáveis sites de escritores, tanto daqueles consagrados pela tradição quanto por autores que iniciam sua atividade literária. Tais sites oferecem inúmeros subsídios para a ampliação de conhecimentos.

Os sites dedicados à literatura apresentam materiais extremamente variados, que vão desde biografias de autores até textos completos, incluindo fóruns de discussão (que favorecem a intercomunicação entre professores e alunos) e concorrem para a efetivação do processo de ensino/aprendizado. O objetivo final consiste na formação do leitor autônomo.

Eis algumas dessas fontes:

http://www.jkrowling.com/ - site oficial da autora da série de sucesso Harry Potter.

http://www.carpinejar.com.br/ - site do poeta Fabricio Carpinejar.

http://www.dominiopublico.gov.br/- site no qual são encontrados textos completos de escritores nacionais e internacionais.

http://www.brasiliana.usp.br/bbd - site da Universidade de São Paulo (USP) com várias edições (raras) de autores importantes.

http://www.releituras.com/ - Site de divulgação dos melhores textos de escritores. Disponibiliza resumos biográficos e bibliográficos de escritores brasileiros, cinemateca, vestibulares...

http://www.miniweb.com.br/ - Site que oferece cerca de 150 links, nos quais o internauta pode encontrar os mais variados tipos de páginas com informações diversas sobre Literatura nacional e internacional.

http://educacao.uol.com.br/literatura/ - Site que oferece ao internauta a possibilidade de ler alguns artigos e de encontrar testes sobre literatura.

Aproveitem as indicações, façam sugestões nos comentários e boa leitura para todos nós!

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Transposição Midiática

Desde as placas de argila da epopeia de Gilgamesh no século VIII a. C., passando pelo trabalho de escribas e copistas, chegando à revolução de Gutenberg a partir de 1439, ao crescimento e expansão dos meios de reprodução do texto escrito e, por fim, até mesmo à tela do computador, a humanidade tem buscado, utilizado e enfrentado (em termos de reflexão e compreensão) as possibilidades midiáticas do texto escrito. Nessa evolução, os desdobramentos que se verificam não se limitam a questões de tecnologia ou ergonomia. As mudanças de mídias implicam em modificações mais profundas, com reflexos em nossa concepção do objeto, da arte e mesmo do produtor dessa arte. Da placa de argila até o tablet, muda não apenas o veículo e o texto: muda, com eles, o próprio ser humano.

Por isso, em nosso primeiro momento de nosso novo curso de extensão, “As revistas literárias e sites de escritores no ciberspaço: como usar na escola?” vamos discutir a natureza e as implicações da evolução de mídias, destacando um aspecto em particular: o modo como a transposição midiática obriga-nos a compreender em profundidade as modificações pelas quais passam nossos objetos de estudo, os textos. Para provocar nossa discussão, tomemos como ponto de partida o vídeo abaixo, “Do papiro à tela do computador”, interessante programa da série Livros ETC. Da TV Escola. O vídeo está disponível no Domínio Público:








Além disso, consideremos com atenção a passagem abaixo, de Roger Chartier:


A revolução do nosso presente é, com toda certeza, mais que a de Gutenberg. Ela não modifica apenas a técnica de reprodução do texto, mas também as próprias estruturas e formas do suporte que o comunica a seus leitores. O livro impresso tem sido, até hoje, o herdeiro do manuscrito: quanto à organização de cadernos, à hierarquia dos formatos, do libro da banco ao libellus; quanto, também, aos subsídios à leitura: concordâncias, índices, sumários etc. Com o monitor, que vem substituir o códice, a mudança é mais radical, posto que são os modos de organização, de estruturação, de consulta do suporte do escrito que se acham modificados. Uma revolução desse porte necessita, portanto, outros termos de comparação. (leia o texto completo aqui)

Passemos agora à discussão. Comente, problematize, participe!

quinta-feira, 17 de março de 2011

INSCRIÇÕES ABERTAS: Curso "Revistas literárias e sites de escritores no ciberespaço: como usar na escola?"

Nova Data: 26/04 (terça-feira)

Curso: "As revistas literárias e sites de escritores no ciberspaço: como usar na escola?"

: Coordenador: Marciano Lopes

Tópicos do Programa:

1- Transposição midiática - Márcio Prado - MANHÃ

2- Sites de escritores - Luzia Tofalini - MANHÃ

3- Revistas literárias - Marciano Lopes - TARDE

4- Sites e revistas de escritores de Literatura Infantil e Juvenil - Alice Martha e Marilurdes Zanine - TARDE :

Período para inscrições: 28/03/2011 a 19/04/2011 - Valor: Acadêmico R$ 20,00 - Não-Acadêmico R$ 20,00 - Vagas: mínimo de 30 e máximo de 100 vagas - Local do curso: auditório Adelbar de Barros - Bloco F-67 (CCE) - Carga horária: 20 horas

Inscrições:

Para se inscrever, gere o boleto e pague-o no banco (Caixa Econômica Federal) dentro do prazo estipulado no mesmo. Preencha o código de recolhimento (2708), o valor (R$ 20,00) e o nome por completo (todo por extenso) e corretamente, pois ele sairá no certificado* conforme você preenchê-lo no boleto.

Clique aqui pra gerar o boleto.


* Infelizmente, os certificados serão emitidos pela DEX, pois há duas resoluções pertinentes à questão que assim determinam.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

POESIA BRINCANTE: Um pequeno tratado de brinquedos para meninos quietos, de Selma Maria

Alice Áurea Penteado Martha

A delicadeza e a propriedade do projeto gráfico-editorial do livro Um pequeno tratado de brinquedos para meninos quietos, de Selma Maria, cativam o leitor imediatamente. Os poemas resultam de pesquisa da escritora que inventariou as brincadeiras de crianças que gostam de brincar “quietas” no sertão brasileiro, mais precisamente em Minas Gerais, e as transformou em versos lúdicos, novas brincadeiras sonoras para leitores de todas as idades e lugares:


Fui muito curiosa, e entre os anos de 2003 e 2008, visitei várias vezes Morro da Garça, Cordisburgo e Andrequicé. Pequeninos lugares sertanejos onde me encantei com o brincar de muitos meninos cheios de alegria e imaginação. E a cada viagem eu aprendia mais, e queria saber mais e mais sobre esse tipo de brincar. (KUASNE, 2009:9)

Além dos paratextos “Brasinha, um menino quieto”, “Na barriga da poesia”, “O brincar do sertão” e “Fonte de brinquedo e poemas, a autora identifica jeitos criativos de brincar em capítulos temáticos: “Os brincares”, “Brinquedo-livro”, “Brinquedo-terra”, “Brinquedo-bicho”, “Brinquedo-cor”, Brinquedo-brinquedo”, “Brinquedo-pensamento”.
As ilustrações de Anne Vidal transportam nos traços as sensações e emoções dos versos; os tons “terra” das imagens, pequenas e delicadas, materializam sensorial e esteticamente a região ressequida do nordeste brasileiro, referência geográfica da obra de Selma Maria, com poemas que são exemplos fortes de que o cotidiano mais simples e humilde é motivo poético.
No capítulo “Os brincares”, Selma Maria poetiza sensações emotivas – “O que você prefere sentir?/Ouvir uma história medonha e ficar com frio na barriga?/Ou brincar na água a tarde inteira com a melhor amiga? (“Brincar de sensações”, p. 12)” -, auditivas – “Ouvir nas conchas/o som das ondas/do mar/ E o vaivém do ar...” ("Brincar de ouvir barulho”, p. 15) - , visuais – “Achar uma nuvem que passa no céu,/parecendo um medonho jacaré,/e vira um outro bicho qualquer” (“Brincar de olhar”, p. 20). Em “Brinquedo-livro”, os versos remetem os leitores às histórias, alegres, tristes, divertidas que encantam suas vidas:
:
Histórias compridas

Histórias da carochinha
histórias para boi dormir.
Uma foi feita para enrolar,
a outra, feita para mentir.

Uma cobra é muito comprida
quando nasce e quando corre.
Uma história é muito comprida
quando é chata e nunca morre.

(KUASNE, 2009: 26)

Os poemas do capítulo “Brinquedo-bicho” tratam de bichos que assemelham a brinquedos como os tatus-bola e de brinquedos que imitam animais, feitos pelas crianças no sertão brasileiro, que se divertem com o pouco que a natureza difícil lhes concede. No primeiro caso, temos os versos de “Bola” – “Tatu bola é nome dele./Esconde todo embolado na sua mão,/ ou muito acanhado pelo chão” (p.41); no segundo, a fatura do boi de sabugo de milho, em “Boi bonito”: “Fazer um boi todo malhado/era o brinquedo que eles tinham inventado./Precisava torrar muito sabugo de milho/para uma boiada formar/e com o fio do barbante puxar” (p.42). Em “Brinquedos-cor”, o colorido da terra e dos elementos da natureza:
:
Verde

Na folha o camaleão desaparece
e no tomate vermelho se enobrece.
No verde a lagarta se esconde
e surge no buraco-da-fruta-do conde.

(KUASNE, 2009: 46)

Ao resgatar brincadeiras infantis das comunidades do sertão mineiro, os poemas de Selma Maria comprovam a tese de Huizinga (1971), segundo a qual as potencialidades do jogo assemelham-se às da poesia e essa afinidade pode ser constatada na estrutura da imaginação criadora:

Boi bonito

Êta, meninos inventadeiros!
Como são bagunceiros e arteiros
esses filhos de violeiros, boiadeiros.
Inventam brinquedos nos fogareiros.
Outro dia até um sabugo de milho
foi para a fogueira,
brincar de Joana e morrer queimado.
Mas que nada!
Era a brincadeira da criançada!
Fazer um boi todo malhado
era o brinquedo que eles tinham inventado.
Precisava torrar muito sabugo de milho
para a boiada formar
e com o fio do barbante puxar.

(KUASNE, 2009: 42)